quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Dos Portais do Incógnito

Mas de desamorfismo algum resentful! Ó não, laceados hemológicos. Devemos nós, partilhantes de tal duotetrágono, destrumavar o desdoistemer da destrêstruição desquatromedida; ao desfazumer do desdoisdém e destrêstempo do desrequatrofeito? Soaring talons! Devei vós, confiscantes de tal éter, presentear a salvaguarda, ah, a doce salvaguarda, ao baixo gruelante das águas frias, ao gaiamoto meteórico, ao carnal zeusear cristalóico, ao inalmável desrecorte? Devem eles, senescais do matrimonial vencilhar, carrilhar com a impura distorção o hino que canticavam tão pátridos, tão gélidos, tão ofélios, tão gracos, cobertos de tamanho intume belicoso eslaidante? Sim, um falta.

Let the platined patch of vicarous condition derive from the caretaker whatever fruits should be taken, whatever seeds to be guarded. Ranco-lhe o olho, almensure agora o campo, a diabólica divindade, a divina diabolicidade, que te cabe! Porte o estandarte, laceado dos pés inchados, nossa arisca lidade tólica, de aqui estarmos. Para aqui estarmos. May the blindfolded enlightened spearhead our dire paths. E que tudo acabe em dó maior.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Poemas que merecem ser esquecidos

Estamos tendo uma onda poetica neste pedaço de plastico azul inutil.
entao eu vou mandar um que eu mesmo fiiiiiz.

Essa é a salsicha
Esse é o nazista
Essa é a vodka
Esse é o comunista

domingo, 14 de junho de 2009

Síndromes I

Síndrome de Monterey-Woodstock

Esta anomalia psicossomática se agrava conforme a idade do portador. Observada em sobreviventes dos anos 60 e 70, os afetados descrevem padrões comportamentais conflitantes com o que de fato estão pensando. A síndrome tem intrigado pesquisadores e pesquisados por anos, ocasionando a organização do seguinte experimento:


Aqui temos o grupo A da síndrome Monterey-Woodstock na experiência conduzida no laboratório de psicologia da universidade de Altamont, Bangladesh. Ligados às cobaias estão sensores de eletricidade cerebral programados para detectar projeções bipolares nas áreas de movimento e introspecção do cérebro (o equipamento torna alguns membros ligeiramente sacolejantes, já que usa um gel fixador que pode causar alergia). O gerador elétrico do laboratório foi propositalmente sobrecarregado de forma a eletrocutar levemente as cobaias para retirá-las do sono criogênico, d'onde elas não podem sair com risco de morte por overdoses latentes. Por isso, há algumas explosões na parede anterior da sala e o ambiente está escuro, já que tentativas anteriores danificaram seriamente os circuitos das lâmpadas da sala. Na parte frontal do auditório estão phDs de todo o mundo que foram convidados especialmente para o show. O terceiro filmado, de casaco preto e óculos escuros, é um comentarista da Science e por isso não descreve comportamento Monterey-Woodstockiano. Eis os resultados:


Paciente #1 - Richards, Keith.


Pensamento - "Grauurrr... deixei o miojo no fogão e esqueci de deixar o torrent ligado..."
Gestos - "Grauurrr... eu sou um rockstar..."

Observações : O senhor Richards mostrou-se também portador da síndrome de Lemmy-McCartney, uma rara alteração genética que o torna imortal, mas não invelhecível. Há indícios de que a mesma anomalia amenize alguns dos sintomas da Monterey-Woodstock, e o paciente de fato demonstra menos discrepâncias no pensamentoXgesto, como demonstrado acima. O equipamento foi propositalmente instalado nas partes internas da coxa, de forma a experimentar com os efeitos da sua localização mais diversa. Em dado momento, Richards tenta atacar o escritor da Science, porém esse habilmente se comporta como um Monterey-Woodstockiano e despista as intenções psicopatas do quasiatacante. O enrijecimento dos lábios foi causado por um erro de cálculo no formol usado na preservação dos neurônios sobreviventes dos anos 60, 70, 80... Enfim, dos neurônios sobreviventes.


Paciente #2 - Jagger, Mick.


Pensamento - "Pô, sacanagem terem me chamado de bicha véia logo hoje. Faz tempo que eu não solto a franga e tava planejando fazer isso agora... Ah, é porque eles não ficaram sabendo daquela gostosa brasileira que eu comi outro dia. Hahahahaha..."
Gestos - "SOLTA A FRANGA, MULHER!"

Observações : Jagger é um típico portador da Monterey-Woodstock, aliás, foi a cobaia utilizada no primeiro experimento relacionado a sua classificação na universidade de Knebworth, pelo doutor Brian Jones, já falecido, em meados de 197E-Guaraná-Com-Rolha (alguém lembra do guaraná com rolha?). Aqui, ele foi sujeito à ação de micorrizas bucais que produzem um composto necessário para manter seus olhos abertos, um verdadeiro desafio para engenheiros biológicos superarem. As micorrizas também causam disfunções dictivas, e podemos ver a troca não-espontânea do "tr" por "tw" em certas instâncias, além de variações no pitch da garganta e muitas outras mais sutis. O mais afetado pela alergia ao gel.

Paciente #3 - Watts, Charlie.

Pensamento - "Mais um dia comum na vida de qualquer baterista. Você acha que é só levar a bateria na van e deixar na gig e quando se dá conta tá no meio de um monte de bicha loca véia. E depois o Mick fica de mimimi porque eu chamei ele de bicha véia. Não sei o que é pior, isso aqui ou revival do Village People. Humph..."
Gestos - "*Gulp* tem gente aqui hein? Eita porra... Que medo... *Brrrr*... É bom cê não me filmar de novo hein!!!!"

O caso Watts ilustra os efeitos do cruzamento esquizofrenia+TOC+Monterey-Woodstock+DSTs. O esquizofrênico quebra suas personalidades e emoções de forma muito mais marcante que dos outros observados, tendo aqui a bipolaridade pessimismo/raiva/"fazer o que, né..." X insegurança crônica. Assim que chegou no laboratório, o paciente sentou-se no banco de experimentos de microssismos, usado para testes em escala de prédios japoneses, e começou a brincar com padrões de repetição dos béquers de madeira. Um típico TOC. E vai dizer que esse jeitinho de 'vim de camiseta polo porque tava dormindo assim' não é indício de gonorréia?

Os resultados completos serão publicados pela editora da universidade de Cambridge em 2010, quando todas as classificações já tiverem sido concluídas. Psicológos do mundo todo já aceitam que a síndrome de Monterey-Woodstock não é um mal irreversível, suficiente para retirá-la do infame grupo do Alzheimer e Parkinson, no lado neurológico. De acordo com o doutor George Harrison da universidade de Liverpool, o paciente Eric Clapton foi curado depois de altas doses de blues puro. Só nos resta esperar pela cura certa e acessível deste mal que assola todos os sexagenários angloamericanos (e alguns mais).

sexta-feira, 5 de junho de 2009

O homem do tanque

Hu Yaobang, um líder chinês que lutava a favor de uma reforma politica no país, morreu no dia 15 de abril de 1989 gerando uma série de protestos que mobilizou mais de 100 mil pessoas liderados por estudantes e intelectuais na Praça da Paz Celestial, uma das maiores do mundo. Eles estavam descontentes com o autoritarismo exercido pelo Partido Comunista da China e o aumento do desemprego.
Foi ordenado que todos os cidadãos de Pequim permanecessem em suas casas. Essa advertência foi completamente ignorada pelos manifestantes. O governo chinês decidiu que uma intervenção militar era a unica forma de retomar o controle e enviou soldados e tanques para a cidade.
O povo da cidade foi contra a ação militar e criou uma força de resistência, fechando estradas para atrasar o avanço das tropas. O exercito respondeu com fogo, causando a morte de centenas de civis. Condutores de riquixás se aventuravam ente soldados e manisfestantes levando os feridos para hospitais próximos. 
Os conflitos atrairam atenção da midia internacional. No dia 5 de junho, um homem solitário, parou uma coluna de tanques num dos protestos pacíficos mais icônicos da história:



Não se sabe o número de vitimas exato. As estimativas diferem bastante. Um funcionário não identificado da Cruz Vermelha afima que foram cerca de 2 mil mortos. A Universidade de Tsinghua calculou 4 mil mortos e mais de 30 mil feridos. Já a inteligência estadunidense estimou um número consideravelmente mais baixo, entre 180 e 500 mortos, semelhante ao número oficial divulgado pelo governo chinês. 
Não existem informações oficiais sobre a idêntidade ou o paradeiro do jovem do jovem. Algumas fontes dizem que ele foi executado poucos dias depois, enquanto outros acreditam que ele ainda está vivo, se escondendo em Taiwan.
Em 1998, a revista Time elegeu o 'Rebelde Desconhecido' como uma das 100 pessoas mais importantes do século XX. 

terça-feira, 2 de junho de 2009

Da Maldita Bênção Caolha

Metalógenos desterrados de bicas salgadas, ele disse.

Permutando por sobre o halla de estar, o abandono do astro rei é revogado no seu pico de ausência. Eis que eles chegam, vindos do lar da labareda e crisálida galatéaca, donde surgem os afontanados vulconídeos de vapor; corcelando seus alasãos de aço ductilfeito, presas de tamargueira, olhos de cremalheira. E pensam que valem-se de seus córdeis. Humph.

Pentecontéricos raios do amanhecer não chegam no fundo do aquamarino oceano, quão mais ao fundo da divisão do nosso ego... O que pode-se versar sobre, dadas as circustâncias, são as reflexões difusas e constralictas que são tão inevitáveis quanto os espelhos que as ricocheteiam pelo éter. Pelo éter, não pelo quadrângulo sublunar. Daí a maioria dos nossos entanglômados, bicho.

Já foi dito que o homem fuzilado pelo próprio olhar tem no pós-sido-ser um lugar reservado com penas de ítrio de onde pode afinal contemplar sua existência, e já foi dito que o metralhar de raios cronóicos não escolhe meios e simplesmente, puramente e destramente se propaga pelo que há para se propagar. Tanto pra cima quanto pra baixo da nossa cara bola de cristal de inspiração. Eis então o magnânimo extremo, trépido eu: do que o farfalhar da nebulosa pavimenta, não haverá ao dodô magistrar. Dito sido, dito feito.

domingo, 31 de maio de 2009

Clichês do cinema


1- Ufa, foi só um sonho. Nos minutos finais do filme, logo após a grande revelação, o herói aparece dormindo no conforto da sua cama e se dá conta de que tudo foi apenas um sonho.

2- Lágrimas milagrosas. Se o impensável acontecer e o mocinho acabar morrendo, não há motivos para se preocupar. A namorada/esposa aparece e grita: "You can't do this to me!". Logo em seguida, uma lágrima cai no rosto do falecido e ele reganha a vida pronto para destruir qualquer plano de dominação mundial.

3- Aliens humanóides. Não importa a galaxia ou sistema solar, todos os alienigenas tem uma enorme semelhança com os humanos. Muitas vezes, a única diferença entre extra-terrestres dos humanos são rugas na testa/orelhas pontiagudas e/ou pele multi-colorida. 

4- Primeiro contato. Não existem problemas na comunicação com alienigenas, eles sempre falam inglês fluente desde o primeiro contato com um humano. 

5- Explosões no espaço. Quando alguma nave explode no espaço, surge uma bola de fogo enorme que acaba engolindo algumas naves menores. Tudo pode ser ouvido a centenas de quilometros do epicentro.

6- Explosões em câmera lenta. Quando alguma coisa absurdamente grande explode, tudo acontece muito, MUITO lentamente. Essas explosões épicas normalmente são mostradas em, no mínimo, 27 angulos diferentes.

7- Softwares do governo by Apple. Os dados secretos do governo podem ser acessados por qualquer com um com laptop usando a rede wi-fi de uma biblioteca. Esses dados ficam armazenados em bancos de dados com uma interface amigável ao usuário, com uma caixa de diálogo colorida pedindo uma senha de acesso que até o formulário do Google considera fraca.

8- Mortes desnecessáriamente lentas. O vilão, sempre que captura o herói, inventa uma forma extraordináriamente lenta de mata-lo envolvendo cordas, lasers, tanques de ácido e animais selvagens. Enquanto isso, o vilão conta todos os detalhes do seu plano diabólico de dominação mundial.

9- "Interrompemos a programação[...]". O herói liga a televisão ou rádio no momento EXATO em que um comunicado urgênte está prestes a ser divulgado, e sempre desliga logo em seguida.

10- Carros-bomba. Em perseguições de alta velocidade, os carros dos bandidos explodem com o mínimo impacto, com grandes chamas e fumaça preta. Por outro lado, o veículo do mocinho é um carro roubado, a prova de balas, com o tanque de combustível sempre cheio e um consumo desprezível.

11- Taxis estão sempre lá quando se precisa deles. O herói recebe uma noticia envolvendo a namorada, e/ou detalhes de um evento que matará centenas de inocentes em pouco tempo. Ele está sem carro, para na primeira esquina, solta um grito: 'TAXI!!'. Em menos de dois segundos, um motorista altamente treinado para na frente dele e os dois seguem em velocidade. Assim que chegam no destino, o mocinho pula do carro sem nem pagar o taxista, mas ele segue sem parecer se importar com isso.

12- Bombas by Apple. Não é apenas o governo que tem uma interface amigável ao usuário inexperiente. As bombas costumam ter um contador enorme marcando o tempo restante para a detonação. As vezes até mudam de cor!

13- "... Não se esqueçam, trabalho para segunda!". O sinal de termino da aula bate interrompendo o professor. Enquanto todos os alunos pegam suas coisas e saem da sala, ele finaliza lembrando de um trabalho que deverá ser entregue na semana seguinte.

sábado, 30 de maio de 2009

Do Desvencilhar de Dodecágonos Saturnológicos

Do que o ácido desmantela não haverá à lua analisar; Aos ermitões das claras profundezas alfacentaurinas destinam-se as melhores conchas; Sobre a bússola de um cego manco pousa o gafanhoto azul e tentáculos de lula frita ao sol da meia noite tem gosto de gêiser. Assim pensava eu.

Até que descendeu das baixezas do paraíso um pianinho, delicadamente esbarrando nos meus decalógicos rabos de mão. E então fez-se a lava. E não daquelas saltitantes e esmiguelantes, a mais genuína das genuínas lava das províncias de Nicklebeppez. E daquelas saliências martelíneas brotaram depósitos, porpósitos, sobrepósitos e sigopósitos de gracejo índico temperado com racionalismo grecoetrusco e virtuosismo teutônico. Bicho, aquilo fez minhas rubras almofadinhas esquarkejadas berrarem 'budaquevospariu, taí um leitmotif!'.

Cê não tá falando sério né? Como não? Ah, é que nada disso *quilha treme* não deixa de não fazer sentido algum, pelo contrário, deixa de fazer sentido algum por não fazer...

Entramos naquele mágico entreolhar intercósmico com nosso tapete alógico, com titânicos 'V's planando sobre doces campos de trigo róseo, sobre as pradarias alabardeareiras outrora de vermelho e marrom, ouvindo o som dos violinos e trompas debaixo d'água. Dentre as asas de mergulhão que entrelaçam as terceiras dobras supracartágenas do Sol, vislumbrantes globos de fogo e marfim se fazem audíveis... I think they're calling our name...Not necessarily stoned, but...Bountiful...Belearguareful...Beautiful.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Da Natureza Devaneiante dos Carpideiros da Blue Marble

Os peixes não sabem, vá. Eles só se prostram surrupiantes às suas correntezas e fascinante cotidiano que só uma criatura tão expressiva quanto um peixe pode ter. Mas eu sei. Digo, nós sabemos. Tá, eu sei e você finge que sabe, tantófaz...

Agora, se essas tábuas pudessem falar (e veja você que, de fato, elas não podem), elas berrariam ao sol o crux of the biscuit. Cê sabe, the apostrophe. Porque só lá no escuro, onde as bolhas tubarônicas borbulham, onde as paredes close in to suffocate ya, where the life you've been leading gotta go (hu-hum), é que há contrapontos farfalhantes e metronômicos. Sim?

Well, let me straighten ya out

Sobre esse lugar que eu conheço, aquele, logo do lado daquele restaurante russo, virando a esquina. É, você sabe onde é, né seu safadão? Eu já sabia que você sabia antes de você mesmo saber que havia algo para ser sabido. Mas a gente é uma coisa só, só não é. Quer saber? Deixa os pragmatismos pro desjejum.

Don't ya just freakin love the sound of a full hull fully hulling across a reef? É pra isso que eu vivo, bicho. E também pra o canto de sereias bem dotadas.

Ah, a bênção do caos. Caos tem pra todo mundo. Mas é a última, e só a última gota que transborda o copo. Pensando bem, agora faz sentido. Quando se vive no mar, não há últimas gotas. Pobres peixes. Talvez agora eles saibam.

Olha lá, a electric ladyland...

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Blogando em 4 passos

1- O nome do blog deve ser escolhido com MUITO CUIDADO. Existem apenas dois caminhos possíveis. Frases filosóficas sempre são uma opção forte. Precisa ser algo que faça as pessoas refletirem sobre todas as opções que fizeram na vida. Alguns exemplos típicos são:

"pursue you dreams"
"just be happy"
"be yourself"

Citei apenas três exemplos, não quero causar nenhuma crise existencial nem nada do tipo. Claro que esse tipo de nome já está sendo muito usado. Se tiver coragem de ousar, tente algo um pouco mais... auto-centrado:

"me - it's what matters"
"me, me and me"
"me, myself and I"

 O resto é besteira, não vale a pena considerar...

2- Você já tem o nome do seu blog, agora falta dar aquele toque pessoal escolhendo um layout que é a sua cara. Qualquer coisa colorida, com imagens grandes e se possível com vários brilhos, uma pouco de flash e 109834234 widgets [gadgets, como quiser...]

2.1- Apenas para mostrar para o quem é a interessantíssima pessoa que está escrevendo, coloque uma foto no seu perfil e escreva uma pequena introdução sobre você. Mostre quão perfeito[a] você é. Exponha todas as suas qualidades, seus defeitos, sonhos e aspirações. Lembre-se: Sempre, sempre, sempre odeie gente falsa e faça questão de deixar isso claro no seu perfil. Um pouco de filosofia também ajuda. Coisas como: 'amadureço a cada dia que passa' ou 'aprendendo com os meus erros'. Devem ser tão persuasivas quanto o nome do seu blog, acho que os exemplos ilustraram bem a ideia.

3- Seu blog pode ser a coisinha mais fofa do mundo, mas ele não vai chegar a lugar nenhum sem conteúdo de qualidade. Não importa o nome que você deu para o seu blog, o tema vai rodar em três itens principais:

-Devaneios filosóficos
-Você
-Você

Ok, admito, fui muito amplo, melhor especificar um pouco mais. Fale das suas experiencias amorosas frustradas, sobre a festa de semana passada e sobre o seu gato. Posts obrigatórios em qualquer bom blog. 

3.1 - Apenas pessoas inteligentes escrevem, então mostre toda a sua sabedoria com frases tão impactantes que seriam dignas de serem colocadas no seu perfil do Orkut. Copiar frases do perfil dos amigos e dizer que mudou sua vida também está valendo. Citações de livros até fazem você parecer culto. Mostre toda a sagacidade do Edward Cullen.

3.2 Você é simplesmente demais. Não, de verdade, você é perfeito[a]. Quer dizer, eu não te conheço, mas aposto que:

você odeia pessoas falsas e imaturas
sabe a hora de brincar e a hora de ser sério
você sabe aproveitar cada minuto da sua vida
ninguém aproveita a vida melhor que você
você é capaz de lutar contra todos os obstáculos no seu caminho
todo mundo é um bando de egocentristas, exceto você
você sempre valoriza os seus erros e sempre tira uma lição de vida com eles
força de vontade e perseverança são seus mottos
humildade é a palavra de ordem

Saliente cada um desses itens nos seus posts. 

3.3- Filosofe bastante. Uma pessoa tão sábia quanto você tem muito o que compartilhar. Não quero me aprofundar neste item, afinal o filósofo aqui é você. Caso lhe falte inspiração, tente escrever sobre como o tempo passa rápido e que apenas alguns dias antes você ainda era uma criança inocente. Apenas deixe claro que você cresceu e agora é uma pessoa supermadura. 
Esta é apenas uma idéia, você ainda pode falar de amores não-correspondidos ou despedidas.

4- Mantenha os posts curtos para não assustar os leitores.

Reichstag

Aqui não jaz um blog.

Do mal da década que surge dos confins dos pseudoemos e prototias-de-salão, dos mários-vão-com-os-outros e dos mainstreamers cegos, a exclusão não desremete. Pois as poucas vanguardas, no mais literal dos sentidos, que afrontam as ondas de mimimi e recusam o abarcar da geração são não mal-encaradas ou perseguidas como outrora foram, mas sim ignoradas e ridicularizadas, tomadas como a máxima das irrealidades psicossomáticas, os verdadeiros "tá, eu seria vilão ou mocinho, mas nunca o bufão."

Este é o grito de liberdade geograficamente isolado e blogosfericamente imiscível de alguns desocupados que vêem o mundo como algo para se pensar e mandar tomar no cu e dar risada. Por uma adolescência menos saturada de traumas de infância, pensamentos melancólicos, memórias nostálgicas, modinhas, filosofias isolantes, depressões, repressões, ridiculofeitios, desmemórias, desculpinhas, coisinhas, complexos. Pelo sarcasmo, ironia, sadismo e despreendimento, pela piada e pelo piadeiro, pelo piadante e pelo piadendo. Jamais críticos. Sempre honestos. E ainda rindo do mundo enfiado no cu.

Buffoons are dead, they say. Long live the buffoons...